terça-feira, 11 de dezembro de 2012

6ª Igreja - A igreja de Filadélfia


Apocalipse 3:7-13 diz: "E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre:
Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome.
Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo.
Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra.
Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.
A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome.
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas."


“Filadélfia” significa “amor fraternal”, é a igreja do amor fraternal. Apenas duas igrejas não receberam repreensão do Senhor: Filadélfia e Esmirna. Elas têm pelo menos três coisas em comum. A igreja em Esmirna tinha um problema com os falsos judeus (Ap 2.9), a igreja em Filadélfia também (Ap 3.9). As duas igrejas são provadas, e a promessa para ambas seria receber a coroa (Ap 3.11). São duas igrejas muito semelhantes.

Cremos que as igrejas depois de Tiatira vão estar aqui por ocasião da volta do Senhor. Qual é a base para essa afirmação? Porque em cada uma delas há uma menção da volta do Senhor. Na igreja em Tiatira, há a
menção da Estrela da Manhã; na igreja em Sardes, o Senhor vem como ladrão e na igreja em Filadélfia se menciona a hora da provação que há de vir sobre todos que habitam sobre a terra, ou seja, a Grande Tribulação. Essas três igrejas falam da volta do Senhor, portanto são igrejas que apontam para o nosso tempo.

A igreja em Tiatira representa profeticamente a igreja da Idade Média que continua até hoje. A Igreja de
Sardes aponta para a igreja reformada que também continua até hoje.
A Igreja de Sardes saiu de Tiatira e a Igreja de Filadélfia sai de Sardes. Se a Igreja de Sardes aponta para a
Igreja reformada, para qual período aponta a de Filadélfia? Ela aponta para o cristianismo dos séculos
dezoito e dezenove, quando houve uma reação ao formalismo e a frieza das igrejas protestantes reformadas.
Esse foi um movimento que enfatizava um relacionamento próximo, amoroso e íntimo com Deus. A Igreja
de Filadélfia profeticamente representa aquelas igrejas que rejeitam o formalismo morto. Não existe um
movimento único, são pequenas congregações espalhadas por toda a terra.

1. A REVELAÇÃO DO SENHOR — 3.7
Isso é maravilhoso! Ninguém pode fechar a porta que Ele abre. Se Deus nos colocou numa posição, só sairemos dali quando Ele quiser. Mas não devemos pensar que toda porta aberta por Ele significa que Deus
deseje que fiquemos nela indefinidamente. Naturalmente, a porta do casamento é para o resto da vida, mas portas de emprego podem ser abertas hoje e fechadas depois. O Senhor fecha uma porta hoje, para amanhã abrir uma maior ainda. Muitas se abrirão porque o Senhor nos conduz de glória em glória.


Não se deve desanimar se porventura uma porta se fechar. Conta-se que, certa vez, um homem estava viajando num barco que naufragou, só ele escapou. Ele foi então parar numa ilha deserta. Ali, tentando sobreviver debaixo de chuva e sol, clamou a Deus, e pediu a graça de poder construir uma choupana para se abrigar dos elementos da natureza. O Senhor o capacitou e ele construiu uma choupana. E lá vivia com
tranqüilidade, mas o seu desejo era ir embora. Até que um dia ele orou ao Senhor pedindo-O que enviasse
alguém para resgatá-lo. Numa manhã, ele estava na praia e começou a chover, quando de repente um raio
caiu em cima da sua choupana incendiando-a. Aquilo o deixou desolado e chateado com Deus. Primeiro, o
barco afundara e agora a choupana tinha sido destruída. “Numa ilha tão grande o raio tinha que cair
justamente em cima da minha choupana?”, Lamentava ele. Parado na praia, se martirizando vendo a
choupana pegando fogo, percebeu que um navio vinha em sua direção. Finalmente seria resgatado. Depois
de subir no navio, perguntou ao comandante: como é que vocês descobriram que eu estava perdido aqui? O
comandante respondeu: nós não sabíamos, mas de longe vimos uma choupana queimando e imaginamos que
fosse o sinal de alguém pedindo socorro.
Às vezes, para o barco da salvação chegar, Deus tem de queimar sua choupana. Esse incêndio é só um sinal
de que algo maior está vindo lá do mar. O Senhor tem as chaves.

2. MENSAGEM À IGREJA — 3.8-11


A igreja em Filadélfia tem prosperado e crescido. As igrejas que avançam nessa visão de relacionamento
intenso com Deus e de comunhão profunda são igrejas que crescem e ninguém pode resisti-las.


a. Tem pouca força 
Filadélfia, porém, é uma igreja de pouca força. Certamente, não se refere aqui à sua força espiritual, mas à
sua força política. Tiatira e Sardes são igrejas fortes, ambas são mantidas por verbas de governos em muitos
países europeus, mas as igrejas representadas por Filadélfia são igrejas independentes, sem poder político.




b. Não negaste o meu nome. 
No verso oito, o Senhor diz que Filadélfia guarda a Sua Palavra não negando o Seu nome. É interessante que a Igreja de Sardes, que aponta para as Igrejas reformadas, valoriza muito o nome. Para elas, o nome vem antes de ser cristão. É comum ouvir as pessoas dizerem “eu sou isso ou aquilo”, antes de se declararem
cristãos. Mas Filadélfia não é assim. O nome não importa, não faz diferença a placa que está na porta do
prédio. Precisamos ter cuidado para não negar o nome do Senhor amando o nome de uma denominação.



c. A Sinagoga de satanás 
Alguns problemas são recorrentes entre as Igrejas.
O primeiro foi a questão dos nicolaítas que aparece nas Igrejas de Éfeso e Pérgamo.
A segunda questão é o problema do judaísmo. Analisamos a questão do judaísmo quando falamos da Igreja de Esmirna. O que é o judaísmo? O judaísmo possui quatro condições que o caracterizam. A primeira é o templo. O templo era o lugar onde Deus morava, mas hoje Deus não habita em casa feita por mãos humanas (At 7.48). A Igreja do Senhor é a habitação de Deus. O segundo elemento que caracteriza o judaísmo é a Lei. Essa lei era exterior, escrita em tábuas de pedras. Hoje a lei do Espírito está escrita na tábua do nosso coração. Essa é uma grande diferença.  Em terceiro lugar, no judaísmo existia a figura do sacerdote responsável pela mediação entre Deus e os homens. No cristianismo, nós somos feitos sacerdócio real e nação santa (1Pe 2.9). Não se precisa mais da mediação do homem, nem precisamos que outro ouça a Deus e nos transmita. Cada um de nós, do menor ao maior, pode conhecer a Deus e ouvi-lo. O quarto elemento que caracteriza o judaísmo são as promessas. Hebreus 8.6 afirma que as promessas da nova aliança são muito superiores.


No verso nove, o Senhor diz que fará com que alguns dos que são da sinagoga de satanás, desses que a si
mesmos se declaram judeus e não são, venham e prostrem-se aos pés da Igreja e conheçam que o Senhor
tem amado Filadélfia. A Igreja não tem nada a ver com o judaísmo. Não temos que voltar para as práticas
judaicas, devemos antes seguir as práticas apostólicas.


d. Guardaste a Palavra da perseverança 
Qual é a provação que há de vir sobre toda terra? É a Grande Tribulação. A promessa é que os irmãos de
Filadélfia serão guardados dela. Porque serão guardados? Porque guardaram a palavra da perseverança.
A Igreja que será arrebatada é a de Filadélfia. A Igreja que ama o Senhor, que ama uns aos outros, a Igreja
do amor fraternal. Ela será guardada da hora da tribulação.
Nosso encargo é ser Filadélfia. Nosso anseio é ser qualificado como ela diante de Deus.


3. A RECOMPENSA DO VENCEDOR — 3.12,13

A promessa é de ser guardado da hora da tribulação. A hora da provação, nesse contexto de Apocalipse,
refere-se à Grande Tribulação. O que eles tinham era a Palavra e o testemunho. O Senhor manda  que
conservem o que têm para que ninguém roube a coroa deles.

Esses irmãos de Filadélfia já possuem a coroa, todavia ela pode ser tomada. Por isso o Senhor adverte:
conserva o que tens, porque pode ser perdido.
A salvação é algo que já está definido na nossa vida. É eterna e ninguém poderá tomá-la. A coroa, porém, é
algo que pode ser tomado. A coroa ou o prêmio depende de como nós terminamos a corrida. Um atleta pode
começar mal a corrida, mas no meio do trajeto pode se recuperar e até vencê-la. O que importa é a maneira
como ele finaliza. Algumas pessoas começam bem e terminam mal, outros, porém, começam mal e
terminam bem. Para Deus o que interessa é o fim da carreira.

Por isso não podemos ficar acomodados pensando que  a questão da recompensa já está resolvida. A
recompensa está em aberto. Salomão foi alguém que começou bem. Um dia, o Senhor apareceu-lhe e disse:
Salomão peça o que quiser, meu filho, eu lhe darei. Salomão começou bem, pediu sabedoria. Mas como
terminou? A Bíblia registra que ele se casou com setecentas mulheres e se envolveu com idolatria por causa
delas.
Jacó, por outro lado, começou mal, enganando o pai e o irmão, mas teve um fim diferente. Depois de lutar
com Deus, foi transformado em Israel — Aquele que lutou com Deus e prevaleceu.

A nossa trajetória pode ter iniciado mal, mas o importante é o final da história. Não devemos nos acomodar
por causa de um bom começo, o que interessa é como concluiremos diante de Deus a nossa carreira. É por
isso que Ele adverte sobre conservar o que temos (Ap 3.11).  A coroa que você tem pode ser passada para
outro se você parar ou desviar-se do alvo no meio do caminho.
A coroa nos fala de uma posição que esta igreja já  possui, mas que pode ser perdida. Perde-se a coroa
quando delega-se a outros o que não poderia ser delegado. Saul perdeu definitivamente a coroa no dia em
que delegou a Davi a responsabilidade de lutar com  Golias. Quantos pastores têm perdido suas igrejas
porque delegaram a direção a outros. Quantas esposas delegaram para secretárias a sua responsabilidade
para com o marido. Quantos pais delegaram a educação dos filhos a outros. Todos eles perderam a sua
posição, porque passaram a coroa. Na verdade, a coroa não é forçosamente tomada, simplesmente a
entregamos.
"Ao vencedor fá-lo-ei coluna no santuário do meu Deus, e daí jamais sairá." (Ap 3.12)
Ser coluna é uma grande glória. É ser sustentação e ornamento. Será coluna no futuro aquele que já é coluna
hoje na igreja. Deus nos deu um testemunho para sustentarmos. Aquele que resiste é coluna.
Ser considerado coluna é ter primazia, posição de muito maior honra. Retire a coluna e o prédio cairá. Uma
coisa é ser parede, outra é ser coluna. Alguns são pedras de edificação, outros são colunas de sustentação
(1Pe 2.4,5). Sem coluna não há prédio. Ninguém pode tocá-la indevidamente, ninguém pode furá-la
inadvertidamente. É posição de honra.
A cada igreja, o Senhor dá uma promessa para o vencedor. Seu propósito é a nossa vitória. Ser um vencedor é responder em cada uma das advertências que o Senhor faz a cada uma das igrejas.






Nenhum comentário:

Postar um comentário